Contactos

Tony Imóveis

  • Pessoa de contato: Tony
  • Telefone: +55 (021) 97266-88-15, VIVO
  • +55 (021) 98007-20-80, TIM
  • +55 (021) 98571-86-36, OI
  • +55 (021) 97470-41-93, CLARO
  • Endereço postal: Rua Barão de Itambi, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Horário de funcionamento

Renovações do site

CEF

22/04/14

CEF não poderá cobrar por corretagem de imóveis
Salvar • 0 comentários • Imprimir • Reportar
Publicado por Direito Vivo (extraído pelo JusBrasil) – 4 anos atrás
0
O Juízo da 6ª Vara Federal de Curitiba acatou pedido do Ministério Público Federal em ação civil pública para que a Caixa Econômica Federal deixe de cobrar a taxa de corretagem de imóvel, fixada em 5% do valor da venda, nos casos de venda direta. De acordo com a sentença, os compradores que pagaram essa taxa, a partir de 15 de outubro de 2005, poderão protocolar ação de execução individual para pedir a restituição do valor.

De acordo com os autos, a Caixa impôs, nos contratos de adesão, o ônus da corretagem aos consumidores, condicionando a venda de seus imóveis à contratação do CRECI/PR. O juízo entende que o pagamento da comissão de corretagem deveria ser obrigação da CAIXA, considerando as normas previstas no Código de Defesa do Consumidor.

A magistrada considerou, ainda, que a conduta da CAIXA em condicionar a venda de imóveis com a obrigação de pagar os honorários do corretor caracteriza a chamada "venda casada", vedada pelo art. 39, I do CDC. O CRECI se beneficia indevidamente com o Convênio que firmou com a CAIXA, garantindo vultosos honorários, mediante imposição de seus serviços aos consumidores. "A imposição em questão aumenta o valor do imóvel em 5%, às custas do consumidor, acréscimo considerável, em especial para famílias de baixa renda, que são as principais destinatárias dos imóveis populares vendidos pela CAIXA".

Na sentença, o juízo declarou a nulidade das cláusulas 13.8.1.1, 13.9. e

do Edital de Concorrência Pública e do Convênio firmado entre a CAIXA e o CRECI/PR, sobre a obrigatoriedade de intermediação de corretor credenciado e habilitado pela Caixa Econômica Federal nas operações de venda direta de imóveis a consumidores; condenou a CAIXA a se abster de exigir, em futuras vendas na mesma modalidade, que o adquirente/ consumidor, compulsoriamente, contrate serviços de corretagem para poder adquirir imóvel, sob pena de multa de 10% sobre o valor do imóvel; condenou a CAIXA à obrigação de informar aos consumidores interessados na aquisição de imóveis que a intermediação por corretor de imóveis é opcional; e condenou os réus, Caixa e Creci/PR, solidariamente, em virtude das cláusulas declaradas nulas, à restituição, aos consumidores onerados com a contratação compulsória dos serviços de corretagem, dos valores pagos a título de comissão de corretagem por ocasião da aquisição dos imóveis por venda direta.

Artigos anteriores
Bolha imobiliária

20/04/14

Profissão em extinção
Profissão em extinção

20/04/14

Ganhos do corretor de imóveis

20/04/14